Aviação comercial vai exigir 790 mil pilotos em 20 anos, afirma a Boeing

Número representa o dobro da força de trabalho atual e será impulsionado pela duplicação da frota de aviões comerciais no mundo todo

A frota mundial de aeronaves comerciais vai duplicar nos próximos 20 anos (Boeing)
A Boeing divulgou nesta terça-feira (24) o Pilot & Technician Outlook 2018, estudo realizado todos os anos pela fabricante que antecipa quantos profissionais serão necessários na aviação comercial nos próximos anos. E como aponta a nova pesquisa, será necessário um número de pilotos sem precedentes na história: serão exigidos 790.000 comandantes nas próximas duas décadas. Tal número representa o dobro da força de trabalho atual no mundo todo.
De acordo com a fabricante americana, a alta demanda por pilotos já começou e segue impulsionada pela ampliação antecipada de frotas de aviões comerciais pelo mundo, que deve ser duplicada até 2038. A pesquisa da Boeing inclui dados do setor de aviação comercial e pela primeira vez sobre os segmentos de aviação executiva e helicópteros civis.
“Apesar do forte crescimento do tráfego aéreo global, o setor de aviação continua enfrentando um desafio de oferta de mão-de-obra de piloto, levantando preocupações sobre a existência de uma falta piloto global no curto prazo”, disse Keith Cooper, vice-presidente de treinamento e serviços profissionais da Boeing.
A Boeing oferece um programa de treinamento acelerado que orienta futuros pilotos desde o estágio inicial do treinamento até o posto de primeiro oficial para ajudar os operadores a atender às suas crescentes necessidades por comandantes. A Boeing também ajuda as operadoras a melhorar a eficiência das equipe com ferramentas que otimizam recursos e minimizam interrupções.
“A ênfase no desenvolvimento da próxima geração de pilotos é fundamental para ajudar a mitigar isso. Com uma rede de campos de treinamento e relacionamento com escolas de aviação em todo o mundo, a Boeing faz parcerias com clientes, governos e instituições educacionais para ajudar a garantir que o mercado esteja pronto para atender essa demanda piloto significativa”, apontou Cooper.
Mais pilotos, menos mecânicos
Apesar da previsão da Boeing apontar a duplicação da frota de aeronaves comerciais nos próximos 20 anos, a demanda por mecânicos deve registrar uma ligeira queda nesse mesmo período, de 648.000 profissionais atuais para 622.000 em 2038. O principal motivo desse fenômeno são os intervalos mais longos de manutenção para novas aeronaves. Já os setores de aviação executiva e de helicópteros civis demandarão 155.000 pilotos adicionais e 132.000 técnicos.
A pesquisa da Boeing também aponta aumento na demanda por comissários de bordo, de 839.000 para 858.000, devido a mudanças no mix de frota, exigências regulatórias e configurações de assento mais densas. Além disso, 32.000 novos tripulantes de cabine serão necessários para apoiar a aviação executiva.